Curiosidade sobre a tradição de nomes no oriente – Exóticos e sensacionais!

Você sabia que em uma família islandesa com um filho e uma filha, todos têm sobrenomes diferentes? E que existem menos de 300 sobrenome de origem coreana? Hoje damos uma volta pelo mundo procurando os costumes mais curiosas no uso de apelidos.

Você pode imaginar o embaraço de não contar com algo, além do nome, para nos distinguir uns dos outros? Com o fim de identificar uma pessoa de forma mais precisa, se começaram a usar apelidos durante os séculos XII e XIII, no mundo ocidental. As vilas iam crescendo cada vez mais, o que significava que o Pedro, como de costume, começou a sentir-se cada vez mais frustrado quando o confundiam com o outro Pedro. A solução foi definir este segundo componente no nome, cuja origem poderia ser variado: desde contextura física (Magro), a natureza (Bravo), localização geográfica (Madrid), trabalho (Sapateiro), ascendência (González), etc.

Esta é a versão que ouvimos tradicionalmente, e que é válida para a maioria das culturas do ocidente, mas o mundo seria muito previsível se não tiver um ás na manga. Há cantos do mundo onde o uso de apelidos é muito mais recente e a sua aplicação é tão diferente que, mais do que qualquer dor de cabeça é gerado em trocas culturais.

No Definido, navegamos pelo mundo em busca dos casos mais marcantes.

O emaranhado islandês

A islândia é o único país que segue a antiga tradição escandinava de usar apelidos patronimico o Que significa isso? Significa que cada islandês recebe o sobrenome do nome de seu pai (e, em alguns casos, a mãe). Ou seja, se O Tomasson tem um filho chamado Ari, seu nome será Ari Jónsson (literalmente, “filho de Jón”). Se eu tivesse uma filha, digamos, Anna, você muda o sufixo de gênero, dando como resultado Anna Jónsdóttir (filha de Jón). O adivinham, então, como se chama o pai de Jón? O Tomas! Isto é especialmente confuso para recepcionistas de hotéis, que têm que entrar numa família onde todos têm sobrenomes diferentes.

À primeira vista, parece uma má ideia, dado o número de combinações limitadas, que se podem dar. Por sorte, para os cerca de 330.000 islandeses, os seus reduzidos números ainda fazem um costume viável.

O costume de nomear os filhos também é peculiar na Islândia. Geralmente, as crianças nascem sem nome e recém-aos 3 meses, os pais, depois de conhecê-los um pouco mais, dar-lhes um. A lei islandesa é particularmente rigorosa na inscrição de novos nomes. Se não está inscrito previamente, deve-se solicitar a sua aprovação ao Comitê de Nomes Islandês (Mannanafnanefnd). O nome pode ser estrangeiro, mas deve ser “declinable”, seguindo o costume da islândia e não atentar contra a integridade do idioma. Wall Street International menciona o curioso do nome “Pedro”, que foi rejeitado pelo comitê devido a nenhum nome islandês termina em “o”. Diferente do “Pedró”, que não foi aceito, pois conta com símiles no vocabulário do idioma.

Menos é mais na Coreia

Segundo o Instituto Nacional de Estatística de Espanha, existem mais de 100.000 apelidos diferentes, único no país ibérico. O caso oposto é o das Coreias, onde existem apenas cerca de 280 nomes de família. Ainda mais surpreendente é que quase a metade dos coreanos tem um dos seguintes 3 apelidos: Kim, Lee e Park (estima-se que mais de 10 milhões de coreanos compartilham o sobrenome “Kim”).

Em entrevista com a revista International Business Time, Donald Baker, do Departamento de Estudos Asiáticos da Universidade British Columbia, explicou esta escassez de apelidos: “Durante grande parte da história da Coreia, apenas a elite tinha sobrenome. Essa elite tendia a adotar sobrenomes que seria plausível afirmar que tinham antepassados provenientes da China, o país que os coreanos mais admiravam. Existiam apenas alguns desses apelidos. Assim, quando os plebeus, começamos a adquirir sobrenome [depois], tomaram qualquer um desses apelidos para desfrutar do prestígio das famílias que já usavam esse nome”. A aristocracia coreana se conformava de poucas famílias, por isso a variedade de apelidos “de prestígio” foi muito limitada.

sakagura Autor